Roda dos Expostos: 200 anos de “assistência” à infância pobre e dita abandonada no Brasil

Autoria: Danielle Franco da Rocha, Edimilsom Peres Castilho, Eribelto Peres Castilho.

Quer saber mais sobre a Roda dos Expostos e a A História Social da Infância e Juventude no Brasil, curso on-line aqui.

A Roda de Expostos ou Roda dos Enjeitados foi uma das instituições brasileiras de mais longa vida, sobrevivendo aos três grandes regimes de nossa história. Criada em Portugal para acolher crianças “abandonadas” em todas as vilas e cidades do reino, foi transferida para o Brasil no Período Colonial, perpassou e multiplicou-se no Período Imperial e conseguiu manter-se durante o Período Republicano até ser extinta definitivamente somente na década de 1950.

Biblioteca Nacional RJ

O nome Roda dos Expostos provém do dispositivo onde se colocavam os bebês que se queriam abandonar. Sua forma cilíndrica, dividida ao meio por uma divisória, era instalado no muro ou na janela da instituição. No lado de fora do muro, o expositor depositava a criança que enjeitava na abertura externa do dispositivo e ao girar a roda a criança já estava do lado interno da instituição. Para avisar a vigilante ou rodeira que a criança acabava de ser abandonada, puxava-se uma cordinha com uma sineta e retirava-se do local rapidamente, garantindo assim o anonimato do expositor. (Cf. Maria Luiza Marcilio)

Depois de “abandonadas” na Roda dos Expostos, todas crianças eram registradas no livro de “Matrícula dos Expostos” e, posteriormente, no livro de “Vencimentos de Amas” quando a criança era encaminhada aos cuidados da “Ama de Leite” ou “Ama Seca”, mulheres empregadas para alimentar e criar as crianças recebidas na roda até que fossem encaminhadas à adoção, ao trabalho ou ao acolhimento institutcional.

De um modo geral, convencionou-se que ao Estado caberia a administração dos negócios públicos, enquanto a assistência pública era direcionada às Confrarias ou Associações Religiosas ou Leigas. Desde então, as Câmaras Municipais realizavam convênios transferindo os serviços de assistências à criança exposta para instituições caritativas, em especial à Santa Casa de Misericórdia e às Casas Pias. Inclusive existia até um imposto especial para custear os convênios denominado Finta dos Expostos.

A primeira Roda dos Expostos do Brasil foi instituída em 1734 na Santa Casa de Misericórdia da Bahia, em Salvador. Fundada em 1549, a Santa Casa da Bahia iniciou os trabalhos de assistência em uma construção rustica de taipa de pilão e cobertura de palha, situada onde atualmente está localizado o Museu da Misericórdia.

Biblioteca Nacional RJ

Nesse período, a Salvador possuía mais de 100 mil habitantes e era grande o número de crianças “abandonadas” nas vias públicas, na porta do hospital da Misericórdia, e algumas até encontradas devoradas pelos cães e porcos nas ruas da cidade.

A segunda Roda dos Expostos brasileira foi instituída em 1738 na Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro. Fundada em meados do século XVI, a Santa Casa do Rio de Janeiro começou a prestar assistência em um abrigo precário coberto de sapé na orla marítima do Morro do Castelo, dando origem possivelmente ao primeiro hospital da cidade.

Biblioteca Nacional RJ

Com o expressivo crescimento populacional por se tornar o principal porto de exportação do ouro de Minas Gerais, o que transformou o Rio de Janeiro na capital do Brasil em 1763, também era grande o número de crianças abandonas nas ruas da cidade e na Ladeira da Misericórdia que acessava o antigo hospital de caridade.

No segundo quartel do século 19, quando o Rio de Janeiro possuía mais de 200 mil habitantes, o pequeno hospital tornou-se insuficiente para atender a população crescente. Por reinvindicação médica, o Cemitério e a Igreja da Misericórdia foram transferidos do local, dando lugar ao imponente prédio que foi inaugurado na Praia de Santa Luzia em julho de 1852, preservando no complexo hospitalar a estrutura da Roda do Expostos.

Instituto Moreira Sales

Nas primeiras décadas do século 20, as intervenções urbanas “higienistas” e “modernizantes” iniciadas por Pereira Passos destruíram o Morro do Castelo para aterrar o mar e construir do Aeroporto, desalojando inúmeras famílias do local, mas preservando o imponente hospital da Santa Casa do Rio de Janeiro.

A terceira Roda dos Expostos do Brasil foi instituída em 1789 na extinta Santa Casa de Misericórdia de Olinda que funcionava anexa à Igreja da Misericórdia localizada no alto do morro de onde se avistava o vilarejo de Recife.

Biblioteca Nacional RJ

Instituto Bixiga

Com o desenvolvimento portuário da cidade de Recife, em 1860 a Santa Casa de Olinda foi incorporada à Santa Casa de Misericórdia de Recife que passou a abrigar a Roda dos Expostos.

Biblioteca Nacional RJ

Instituto Moreira Sales

A quarta Roda dos Expostos do Brasil foi instituída mais tardiamente na cidade de São Paulo já no Período Imperial, em 1825 quando a vila quinhentista já ultrapassava os 25 mil habitantes.

Arquivo Histórico Municipal SP

Nesse período, a enfermaria da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo que atuava em casas cedidas pela Câmara Municipal, foi transferida para a distante sede da Chácara dos Ingleses na entrada da cidade, à beira do Caminho do Mar.

Arquivo Histórico Municipal SP

Nesse primeiro e precário hospital da irmandade da misericórdia lotado na Chácara dos Ingleses, também funcionou a primeira Roda dos Expostos de São Paulo, até ser transferida em 1840 para o novo prédio da irmandade, erguido em Taipa de Pilão na atual Rua da Glória, em frente ao primeiro cemitério público de São Paulo, o Cemitério dos Aflitos.

Arquivo Estado SP

Aberto e final do século 18 para o enterro de escravizados, pobres, indigentes e crianças “abandonadas”, o Cemitério dos Aflitos funcionou até 1886 com a inauguração do Cemitério da Consolidação e seu terreno foi loteado posteriormente, restando apenas a pequena Capela de Nossa Senhora dos Aflitos como recordação desse período.

Com o aumento populacional de São Paulo, uma notícia do antigo Jornal Província de São Paulo em fevereiro de 1879 anunciou o concurso público para a construção de um novo prédio para a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo que incluísse no projeto uma Roda dos Expostos e cômodos para as crianças “abandonadas”.

Em 1884, o novo prédio de “Arquitetura Higienista Pavilhonar” da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo foi inaugurado na Vila Buarque onde a irmandade passou a receber os doentes e também as “crianças enjeitadas” na Roda dos Expostos.

Instituto Bixiga

Segundo registros do Museu da Santa Casa de São Paulo criado em 2011, que preserva a Memória e um Acerco Histórico valioso da Santa Casa de São Paulo, a Roda dos Expostos funcionou até dezembro de 1950, quando a última criança foi recebida e registrada com o número de 4.580.

Quer saber mais sobre a Roda dos Expostos e a A História Social da Infância e Juventude no Brasil, curso on-line aqui.

Acompanhe a programação e as novidades do Instituto Bixiga cadastrando-se gratuitamente no site aqui.

Artigos relacionados

Open chat
Entre em contato pelo WhatsApp