Cidade Tiradentes: Memória Viva de Lutas e Resistências da Classe Trabalhadora na Zona Leste de São Paulo

Autoria: Danielle Franco da Rocha, Edimilsom Peres Castilho, Eribelto Peres Castilho.

Para contribuir com a Programação Especial de Aniversário da COHAB Cidade Tiradentes, comemorado no dia 21 de abril, o Instituto Bixiga divulga a Exposição “Cidade Tiradentes Memória Viva”, realizada em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo e o Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes, com a contribuição fundamental e imprescindível de muitos moradores, coletivos culturais e profissionais dedicados da rede publica de cultura, educação, saúde e assistência social.

Localizado a 30 Km do centro na Zona Leste de São Paulo, o Complexo Habitacional Cidade Tiradentes surgiu na década de 1970 por intermédio da Companhia Metropolitana de Habitação de São Paulo (COHAB-SP) que financiou 42.369 unidades habitacionais que, juntamente a marcante a presença de moradias erguidas por meio da Autoconstrução, abriga atualmente uma população superior a 250 mil pessoas.

Em 2012, como resultado das lutas e conquistas dos inúmeros Movimentos Populares do território, foi inaugurado o Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes (CFCCT) com um espaço dedicado à constituição de acervo e documentação de sua história.

Para inauguração desse Centro de Memória Viva, o primeiro passo no processo de pesquisa e resgate da formação histórica foi a exposição “Cidade Tiradentes Memória Viva”, realizada em 2016 simultaneamente ao curso “Cidade Tiradentes Memória Viva” que discutiu a memória e a formação histórica do território com depoimentos de moradores e convidados especiais, como pode ser conferido no Canal do YouTube do Instituto Bixiga.

Agradecemos encarecidamente todas as pessoas que colaboraram com esse projeto, em especial o estímulo para que ele acontecesse do mais que querido Guilherme César, à colaboração de Waldir, Lourdes Dias de Almeida, Willian Silva de Moraes e Sheila Alice Gomes da Silva, e muitos outros moradores de Cidade Tiradentes e entorno que nos deixaram desde então. 😓

Finalizamos essa notícia com a publicação de um importante escritor e sociólogo brasileiro no Jornal O Estado de SP em 15 Fevereiro 2010, que relata suas memórias de infância na antiga Fazenda Santa Etelvina que foi loteada para dar lugar à COHAB Cidade Tirantes.

O ÚLTIMO BOCADO DE IÇÁ de José de Souza Martins.

Naquele 1948 em que fui matriculado no Grupo Escolar Pedro Taques, Guaianases era um povoado ao lado da estação ferroviária, as ruas iluminadas à noite por lampiões de querosene. No largo da estação terminava a estrada de terra que vinha da Fazenda Santa Etelvina. Era o meu caminho, 16 quilômetros batidos a pé, entre a ida e a volta, entre o casebre da roça e a sala de aula lotada, três alunos por carteira.

Éramos um bando de meninas e meninos que moravam para os mesmos lados. De pé no chão, nas manhãs de inverno os pés doíam muito. No caminho da roça, já no sol quente do meio-dia, íamos ficando pelos sítios e chácaras. Eu era o último. Chegava faminto em casa, para o invariável prato
morno de arroz, feijão e repolho. Quando li Os Parceiros do Rio Bonito, de Antonio Candido, entendi perfeitamente a referência àquela insaciável fome de carne tão característica do mundo caipira. Era a fome que eu sentia. Meu padrasto, quando tinha essa fome, pegava a espingarda e saía para caçar. Voltava com um tatu, um filhote de veado, alguma ave. Sinal de que a coisa piorava foi no dia em que caçou um ouriço, bicho feio. Foi duro comer aquilo, a carne dura, escura e mal cheirosa. Mas fome é fome.

Um belo dia houve a revoada da içá, a fêmea da saúva, prenhe de ovos, que em minutos abre um buraco no chão e nele se afunda para estabelecer um novo formigueiro. Era preciso correr com a panela numa das mãos e um graveto na outra para separar-lhe o abdômen gorducho, antes que sumisse na terra. E correr de um lado para outro, para catar o maior número delas. Deram uma panelada de içá torrada, que meu padrasto, um mameluco, caipira de verdade, comeu com voracidade, com uma fome que eu
nunca vira, fome ancestral, fome do índio que nele havia do tempo do deslocamento paulista na direção dos sertões de Minas. Ofereceu um pouco da iguaria a meu irmão e a mim, esperando que não aceitássemos. Aquele foi o meu limite na carência alimentar.

Curioso: ao mesmo tempo em que ali se prezava aquela raridade culinária, havia uma guerra contra a saúva, que voraz, e com fome parecida, comia as plantas cultivadas com suado trabalho. De vez em quando era chamado o batalhão dos mata-formigas da Prefeitura de São Paulo, que chegava lá na roça para acabar com os formigueiros. Era um mundaréu de gente, munida de foles, na ponta dos quais havia um pequeno tambor de ferro em que punham brasas e sobre as brasas enxofre para colorir a fumaça e arsênico. Com o fole sopravam a fumaça amarela para dentro dos buracos. Alguns ficavam de olho para ver onde a fumaça ia sair. E tapavam cada saída. Saturavam os formigueiros com a fumaça letal. O requintado prato indígena estava condenado no que ainda não era a degradada periferia urbana de São Paulo.

Artigos relacionados

Open chat
Entre em contato pelo WhatsApp